Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘inglês’

Eu fiz uma pequena cirurgia na mão esses dias e, por isso, fui impedida de trabalhar; assim, para não cair no tédio total, fiz umas pequenas compras, tais como o livro que estou comentando agora e alguns dvds para passar o tempo.

Eu li Alice sem maiores pretensões e confesso que comprei essa edição do livro mais pelas ilustrações maravilhosas de Luiz Zerbini do que pela história em si, já que eu já havia lido o livro quando criança e, mesmo que não tivesse lido, já sabia da história fantástica e das aventuras surreais vividas pela personagem que dá título ao livro.

Quando se lê um livro como esse, acredito que a gente deve se despir de quaisquer julgamentos, ideais lógicos ou pensamentos estritamente racionais.

Acredito que não há mais nada a se tratar do livro, a não ser dizer: leia, leia, leia. É incrivelmente bem escrito e muito muito muito bom.

Apenas um pequeno aviso: para quem não sabe, o filme de Tim Burton que estreou na semana passada é uma mistura desse livro com o outro de Lewis Carroll, “Alice através do espelho”…

Eu comprei o meu por R$ 45.

Anúncios

Read Full Post »

Antes de mais nada… Vamos fingir que três meses (e alguns diazinhos!) não se passaram e eu não coloquei nenhum texto aqui!? Eu li alguns livros mas não achei que nenhum valia a pena estampar o Sensações!

Passadas as desculpas, vamos ao que interessa…

“As massas nunca se revoltam por iniciativa própria, e nunca se revoltam não só porque são oprimidas. Acontece que enquanto não lhes for permitido contar com termos de comparação, elas nunca chegarão sequer a dar-se conta de que são oprimidas” (p. 244).

“Nada a temer do lado dos proletários. Abandonados a si mesmos, continuarão trabalhando, reproduzindo-se e morrendo de geração em geração, século após século, não apenas sem o menor impulso no sentido de rebelar-se, como incapazes de perceber que o mundo poderia ser diferente do que é” (p. 247).

É imperioso que eu esclareça aos que não leram o livro e têm a mesma idéia que eu tinha dele antes da minha leitura: não, o livro não se relaciona com o Big Brother. Aliás, é o Big Brother que não se relaciona com esta obra-prima.

Acredito, piamente, que quem faz este tipo de alusão não leu o livro (como eu fazia antigamente), ou não compreendeu a dimensão forte da história escrita por Orwell.

Á primeira vista, não achei que 1984 seria um livro que poderia me prender: pelo contrário, acreditava que seria mais um livro sobre a obsessão doentia de patriotismo e orgulho dominador.

Só que 1984 é muito mais que isso!

Na verdade, 1984 é um livro que trata, também, do patriotismo e do orgulho dominador, só que é uma espécie de evolução dessa espécie de Estado – da qual podemos perceber que Orwell não se filia nem presta qualquer tipo de demonstração raivosa. O autor não se deixa levar pelas emoções que eu, por exemplo, me deixei levar.

O Estado do livro (não podemos caracterizá-lo como nação, acredito) não possui um rosto definido (o Grande Irmão pode ser todos e, como dizia a personagem O’Brien, ao se anular como indivíduo, a pessoa tinha a possibilidade de se fundar com o Grande Irmão, com o Partido, e se tornar “o todo-poderoso”). E, ainda, assim ele assume a feição de qualquer Estado; como se o mix de atitudes (ou elas separadamente) de pessoas ligadas ao poder fossem um espelho do livro.

Depois de ler o livro eu fiquei inteiramente obcecada em não me permitir sequer ver uma propaganda do governo, bem como me tornei mais atenta ainda as sombras de qualquer infração ao Direito (em especial no que diz respeito à Constituição!).

Não obstante em, ao indicar a leitura do livro, me tornar a responsável pelas ações um pouco psicóticas de cada um, rs, acredito que tenho o dever de dizer que o livro é lindo, libertador, e altamente recomendável. Não vejo a hora de ver o filme!

Eu encontrei o meu livro por R$ 40, mas acredito que na internet se encontra mais barato!

Read Full Post »

“Falo do amor de forma mística, sei o preço. (…) Sou muito inteligente, muito exigente e muito engenhosa para alguém ser capaz de se encarregar completamente de mim. Ninguém me conhece nem me ama completamente. Só tenho a mim” (S. de Beauvoir).

“Isso responde à pergunta que a atormentava: meu amor, você não é ‘uma coisa em minha vida’ – nem mesmo a mais importante -, porque minha vida já não me pertence, porque (…) você é sempre eu” (Sartre).

Em meio a processos, recursos e exames finais eu tento levar adiante esse meu (pequeno) projeto literário, pelo qual eu sinto muito carinho e levo comigo uma grande culpa pela falta de tempo de concluir as minhas leituras e rechear este blog mais rapidamente.

Hoje eu finalizei a leitura de “Tête-à-tête”, livro que mostra, com intimidade, a relação que existiu entre Simone de Beauvoir e Jean-Paul Sartre. Já tinha dito aqui que eu gosto muito de biografias, mas devo dizer que esta foi a que eu mais gostei de ler. Sentia muito por não estar lendo o livro quando estava ocupada com outras questões, até mesmo quando estava dirigindo! rs.

Hazel Rowley demonstrou muito cuidado na sua pesquisa para a confecção do livro: apesar de não ter sido uma das testemunhas oculares da relação Beauvoir-Sartre, ela conseguiu obter todas as informações necessárias para encantar o leitor com o seu livro (apesar de ter ouvido que o texto parecia uma tese de mestrado, eu adorei a forma de escrita dela…).

No livro nós podemos perceber a beleza e a lealdade da relação dos dois escritores, tanto entre si como com os outros amores de sua vida, os seus filhos adotivos, as causas que abraçaram – e ainda ficamos com muita vontade de devorar os livros deles, no meu caso, especialmente, os de Beauvoir.

Apesar de algumas desavenças e outros atritos do chamado “Grupo Sartreano” não são páreo para destruir a imagem que eu tinha deles; muito pelo contrário, se solidificou em mim uma representação linda deles dois, da França, dos livros, dos intelectuais, dos movimentos socias que antigamente davam sentido à sociedade.

Bom demais, lindo demais, ótimo!

O livro é encontrado nas livrarias pelo preço médio de R$ 70.

Read Full Post »

{Obrigada, Gaby, pelo livro! Eu amei meu presente de aniversário!}

Ao me verem com o livro de Somerset Maugham na mão, duas de minhas tias começaram a falar de um outro livro do mesmo autor, “O fio da navalha” e também a comentar sobre um dos filmes que originou-se de “O véu pintado” (até agora foram 2 filmes), que aqui no Brasil ganhou o infame nome de “O despertar de uma paixão”.

Então, comecei a pesquisar sobre ele e a sua maneira de escrever e, como me é peculiar, fui rememorando o filme e pensando: “ah, mas é apenas mais um romance, uma história de amor, é melhor não criar expectativas” e inventei de criar a expectativa de não criar expectativa.

Só que, mais uma vez, eu me enganei (esta deve ser a frase mais escrita deste blog!). Encontrei no autor aquilo que pode se aproximar do narrador perfeito: nem lacônico como Bernhard Schlink, nem excessivamente prolixo como J. R. R. Tolkien.

Assim, mesmo que eu não tivesse visto “O despertar da paixão” eu iriaa ser transportada para o magnífico e misterioso interior da China nos anos de 1920; ou saberia como era a princesa manchu; ou como era apresentada a cólera àquela época.

Talvez, até, eu esteja fazendo uma injustiça com o livro: pensando bem, as imagens do filme não são tão bem feitas como no livro porque há carência de detalhes.

O livro conta a seguinte situação: uma mulher, Kitty, se casa rápida a e convenientemente com Walter, bacteriologista que trabalha para o governo inglês na China. Entediada com o casamento, tem um caso extraconjugal e o marido, ao descobrir, vinga-se voluntariando-se para trabalhar numa vila no interior da China em que acontece um surto de cólera.

Acredito que se trata, na verdade, muito mais de uma jornada de autoconhecimento de uma mulher do que a história de um casal, a distância que pode haver entre eles ou a falta de amor dos dois.

Acredito que o livro não é atual, mas pode tornar-se se o leitor transpuser as barreiras de padrões e comportamentos sociais para situar apenas os sentimentos das personagens à nossa época.

O livro é encontrado nas livrarias pelo preço médio de R$ 35.

Read Full Post »

Quando eu comecei a ler “O hobbit” eu estava tomada por grande ansiedade e entusiamo tendo em vista o presente que ganhei dos amigos do escritório e que provocou uma intensa maratona com o meu melhor amigo (que é expert no assunto): o box da trilogia d”O senhor dos anéis”!

Aventuras fantásticas e repletas de alegorias sempre me encantaram e acreditava que esta seria mais uma chance de verificar, nas entrelinhas, tópicos divinos e histórias intrincadamente alegóricas, apesar de Tolkien não assumir que a sua trilogia continha claras interpretações alegórico-teológicas.

Eu, no entanto, me enganei e, por ter criado muita expectativa quanto a isto, me frustei.

Não é que eu não tenha gostado do livro – eu adorei! -, mas como é dada uma grande ênfase às aventuras que os anões e Bilbo Bolseiro passam, eu me cansei um pouco.

É que a história se passa na terra média, anos antes da história que a maioria das pessoas conhece: nos é apresentado como é que Bilbo adquiriu o anel e, antes dele, Smeagol. Vemos também que Gandalf já esperava grandes coisas dele e, como sempre, os anões são seres mesquinhos e mãos-de-vaca; a única coisa que eu estranhei foram os elfos, que são rudes e ignorantes neste livro, diferentes da descrição que eu sempre conheci (e prefiro manter). A leitura, ainda, permite que a gente rememore grandes ensinamentos sobre lealdade, amizade e fidelidade.

Recomendo a todos que busquem uma leitura agradável e repleta de (boas) aventuras e, porque não, explicações para os principais livros de Tolkien.

O livro está em fase de transposição para o cinema, pelas mãos de Guilhermo Del Toro – acredito que boas coisas virão.

O livro é facilmente encontrado nas livrarias e o seu preço médio é R$ 50.

Read Full Post »